As Polícias Civis da Paraíba e do Rio Grande do Norte, por meio das Delegacias de Crimes contra o Patrimônio (Roubos e Furtos), de João Pessoa e de Natal, realizaram na madrugada desta quarta-feira (14) a Operação Vitrine, com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em arrombamentos e furtos a estabelecimentos comerciais, inclusive joalherias, e que agiam em João Pessoa e Natal. De acordo com a polícia, há registros da atuação da quadrilha em Recife.

A operação, que contou a participação de 50 policiais, entre agentes, escrivães e delegados da Paraíba e do Rio Grande do Norte, aconteceu na cidade de Campina Grande, onde foram cumpridos mandados de busca e apreensão, e uma pessoa foi presa em flagrante. Na quinta-feira (8), duas pessoas foram presas em João Pessoa acusadas de integrarem o grupo.
Nesta quarta-feira, ainda foram apreendidos roupas, relógios, que a polícia suspeita terem sido furtados, além de um revólver e várias munições. As buscas foram feitas em residências de luxo nos bairros de Castelo Branco, José Pinheiro, Nova Brasília, Três Irmãs e Santo Antônio, em Campina Grande.
No Bairro do Santo Antônio, foi preso em flagrante Paulo Roberto Pereira dos Santos, de 35 anos. Com o acusado, os policiais encontraram um revólver calibre 38, munições e relógios.  De acordo com a delegada titular da Delegacia de Roubos e Furtos de João Pessoa, Roberta Neiva, as investigações são realizadas há mais de um ano. Ela destaca que os envolvidos não realizavam os furtos em Campina Grande, apenas moravam na cidade em casas de luxo. “Os integrantes dessa rede criminosa são especializados em cometer furtos qualificados em estabelecimentos comerciais, sem se importarem com a quantidade de pessoas, se existiam câmeras de vigilância. São audaciosos”, disse a delegada.
A Polícia tem imagens dos crimes praticados pela quadrilha tanto em Natal como em João Pessoa. “A partir dessas imagens, conseguimos identificar dois homens envolvidos nos furtos. Com base nos depoimentos deles, entendemos que se tratava de uma quadrilha organizada que agia no Rio Grande do Norte e aqui na Paraíba e que residia em Campina Grande”, afirmou Roberta Neiva.
A delegada acrescentou que sete pessoas continuam foragidas e que a população pode ajudar com informações por meio do número 197 Disque Denúncia da Secretaria de Segurança e Defesa Social. O sigilo é garantido.
Informações: Governo da Paraíba/PORTALG14